Ações de cooperativismo fomentam o desenvolvimento econômico em Minas
Cooperativas movimentam cerca de R$ 60,8 bilhões por ano no estado
Publicado: 10/07/2020 10:43 | Atualizado: 23/07/2020 10:59
Foto: Matheus Fonseca/Sede Foto: Matheus Fonseca/Sede

Baseado em valores como a ajuda mútua e responsabilidade, o cooperativismo é responsável por 9,6% no Produto Interno Bruto (PIB) mineiro, movimentando cerca de R$ 60,8 bilhões por ano. Por acreditar na potencialidade deste sistema econômico, o Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), tem trabalhado para apoiar pequenos produtores e cooperativas.

Uma das estratégias de fomento foi a reativação do Conselho Estadual de Cooperativismo (Cecoop), que fornece subsídios para as políticas públicas de desenvolvimento dessas cooperativas. Após um intervalo de seis anos sem atuação, o Conselho retomou as atividades, em fevereiro deste ano, com a proposta de mostrar a importância das cooperativas para o desenvolvimento econômico do Estado.

"As diretrizes da Sede estão em consonância com a política estadual de apoio ao cooperativismo, o que facilita a atuação do Conselho. Nossa meta é fortalecer este sistema, focando na atração de investimentos", afirma o subsecretário de Desenvolvimento Regional da Sede e presidente do Cecoop, Douglas Cabido.

Também considerado meta, diante dos eixos estratégicos do governo, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, por meio do Circuito Mineiro de Oportunidades e Negócios, aproxima as cooperativas e pequenos produtores de empresas âncoras e setores estratégicos da economia mineira para realização de novos negócios. O programa é voltado para microempreendedores individuais (MEI), microempresas, empresas de pequeno porte, cooperativas e agricultores familiares. Somente em 2019, foram realizadas 10 edições do programa por todo o estado, capacitando 539 pessoas e 272 empresas, gerando mais de R$ 12 milhões em novos negócios.

Parcerias com entidades de classe

Outra estratégia de governo que torna o estado mais competitivo, com ambiente que promove o empreendedorismo e também fortalece o cooperativismo, é o programa Minas Livre para Crescer, lançado pela Sede no fim do ano passado. Com o apoio das entidades de classe, a iniciativa simplifica o processo de empreendedorismo no estado a partir da redução de entraves burocráticos nos processos.

Uma das entidades com grande destaque de atuação no programa é o Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais e Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo de Minas Gerais (Sistema Ocemg) que, até o momento, contribuiu com 15 proposições, levantadas diretamente junto às cooperativas. As propostas envolveram simplificação e desburocratização de procedimentos na Jucemg, Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária, IMA e SEF, além de órgãos municipais e até federais. As propostas em grande parte terão repercussão positiva e alinhadas com o proposito de desenvolvimento econômico da Sede e dos empreendimentos coletivos.

Para o assessor Institucional da Ocemg e membro do Conselho Deliberativo do Fopemimpe, Geraldo Magela, o programa permite, através do encaminhamento das questões que dificultam ou entravam o desenvolvimento da sociedade cooperativas no estado, buscar uma solução para eliminar os gargalos ou pelo menos mitigar as dificuldades que as cooperativas enfrentam no tocante ao seu desenvolvimento, as suas atividades em virtude de aspectos normativos, burocráticos, muitas vezes excessivos, que tornam as atividades extremamente mais dificultadas.

“Enxergamos nele um canal importantíssimo para que pudéssemos participar, apresentando proposições e sugestões para a solução destes problemas. Temos na Secretaria de Desenvolvimento Econômico um parceiro extremamente importante que tem nos possibilitado e dado todo apoio para que essas demandas que temos apresentado possam ser encaminhadas aos respectivos órgãos de origem e que possamos buscar uma solução adequada para a eliminação desses problemas”, afirma Magela, garantindo acreditar que o resultado do Minas Livre pra Crescer vai remeter a um novo patamar, onde um ambiente de negócios será muito mais dinâmico, muito mais facilitado e, com isso, quem ganha é toda a nossa sociedade mineira, que terá um estado mais competente, mais ágil e com mais capacidade de geração de trabalho, emprego e renda.

Em um pouco mais de seis meses de atuação, a Sede, por meio da política de desburocratização, recebeu 203 proposições que descrevem as dificuldades e os impasses dos empreendedores mineiros.