Governo de Minas lança matriz para melhorar mobilidade na metropolitana
O novo estudo é apresentado, hoje (24/8), durante reunião online do Comitê Técnico de Mobilidade da RMBH, para elaboração de Plano de Mobilidade
Publicado: 24/08/2021 12:39
Foto: Daniel Monteiro / Unsplash Foto: Daniel Monteiro / Unsplash

Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra) e a Agência RMBH farão o lançamento da Matriz Origem-Destino de Pessoas por Dados de Telefonia 2019 e 2021, durante a próxima reunião do Comitê Técnico de Mobilidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte (CTMob). O evento acontece hoje (24/8), às 10 horas, em formato online. Na programação, estão previstas as participações do secretário da Seinfra, Fernando Marcato, e da diretora-geral da Agência RMBH, Mila Corrêa da Costa. 

Na ocasião, a empresa telefônica contratada (Vivo) apresentará o relatório de construção do trabalho. Em seguida, os membros do comitê repassarão os informes sobre o Plano de Mobilidade. A Matriz Origem-Destino fornece dados do padrão de deslocamento da população na área de estudo. Por meio de dados coletados de celular, é possível compreender quantas pessoas saem de determinado bairro com destino ao centro da cidade, por exemplo. Com isso, as informações necessárias são obtidas para realizar o planejamento da mobilidade metropolitana.

Baixo custo e rapidez

Na edição 2019/2021, a matriz possui dados de 20 dias de novembro de 2019 e 20 dias de maio de 2021, permitindo separar dia útil, sábado, domingo e feriado e possibilitando um acompanhamento mais preciso das mudanças dos padrões de deslocamento da região, uma vez que até 2012, os dados representavam apenas um dia útil.

 “As matrizes OD de 2019 e 2021, elaboradas com dados de celular, custaram 17 vezes menos que a matriz de 2012, elaborada com dados de pesquisa de campo. O baixo custo e rapidez na construção permitem a sua realização anual sem pesar nos cofres do governo. Isso possibilita um acompanhamento mais preciso das mudanças dos padrões de deslocamento na região”, declara o diretor de Planejamento Metropolitano da Agência RMBH, Charliston Moreira.

Vale ressaltar que os dados coletados são anônimos e agregados, respeitando a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), de forma que não é possível a identificação do usuário.

Sobre o Comitê Técnico de Mobilidade

O trabalho do CTMob foi retomado, em março deste ano, com expressiva participação de entidades metropolitanas e representantes da sociedade civil. Na oportunidade, a equipe da Diretoria de Planejamento Metropolitano da Agência RMBH e da Subsecretaria de Transportes e Mobilidade da Seinfra, que compõem o Escritório de Mobilidade, forneceram informações sobre o cronograma de trabalho e destacaram os avanços do Plano de Mobilidade.

O CTMob foi criado, em 2010, para oferecer apoio técnico-consultivo à tomada de decisão do Conselho Deliberativo de Desenvolvimento Metropolitano e para iniciativas diversas nas questões metropolitanas referentes à mobilidade urbana e transportes. Sua composição é primordialmente técnica e inclui representantes do poder Executivo, Legislativo, Estadual e dos vários municípios componentes da RMBH; representantes de classe de usuários e operadores dos sistemas de transporte, rodoviário e ferroviário, de carga e passageiros; academia; órgãos técnicos de classe; e entidades de participação social e da sociedade civil organizada. Saiba mais clicando aqui.