Chamada pública irá financiar projetos para a Bacia do Rio Doce
Iniciativa da Fapemig prevê investimentos de mais de R$11 milhões em propostas de pesquisas científicas, tecnológicas e de inovação
Publicado: 20/04/2016 15:02 | Atualizado: 20/04/2016 15:18

O Secretário de Estado Adjunto de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais, Vinícius Resende, participou, ontem (19), do lançamento da Chamada de Apoio a Redes de Pesquisa para Recuperação da Bacia do Rio Doce. O evento aconteceu na sede da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig) e contou também com a participação do Presidente da instituição, Evaldo Vilela, e do Presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Faps), José Antonio Bof Buffon.

A chamada pública é a segunda lançada pela Fapemig com o objetivo de recuperar parte dos impactos do desastre com a barragem de Bento Rodrigues, em 2015. A iniciativa busca apoiar projetos de pesquisa científica, tecnológica e de inovação desenvolvidos em rede, que geram conhecimento, tecnologia e processos voltados para a recuperação da bacia hidrográfica e seus ecossistemas associados.

Para o Secretário Adjunto, a iniciativa da Fapemig é de extrema importância para o futuro dos rios e dos cidadãos envolvidos. “A partir da ciência, é possível encontrar soluções que reduzam os prejuízos causados pela tragédia, incentivando pesquisadores e estudantes a, juntos, buscarem inovações que favoreçam o meio ambiente e as pessoas impactadas”, afirma.

 

Submissão de projetos

Para receber o financiamento da Fapemig, os projetos de pesquisa interdisciplinar podem ser desenvolvidos por diferentes instituições de ensino superior (IES), institutos de ciência e tecnologia (ICT) e demais instituições públicas ou privadas, sem fins lucrativos, visando à formação de recursos humanos em nível de pós-graduação stricto sensu e a geração de conhecimento, tecnologias e processos voltados ao tema.

O diferencial da chamada é a estruturação de redes de pesquisa; cada proposta deverá envolver no mínimo três instituições, sendo pelo menos uma de Minas Gerais ou do Espírito Santo. Para monitorar as pesquisas selecionadas e gerar resultados à população no menor prazo possível, a Fapemig montou uma equipe para acompanhar o desenvolvimento dos projetos, agilizando o acesso da população às tecnologias desenvolvidas.

As propostas podem ser submetidas até o dia 20 de junho de 2016 e devem seguir uma entre as 11 linhas temáticas prioritárias: Estudos Socioeconômicos, Uso do solo, Qualidade de Vida, Áreas Degradadas, Qualidade da Água, Biota, Mata Atlântica, Ecossistemas de Estuário, Redução de Resíduos, Saneamento Básico e Governança. As pesquisas aprovadas serão financiadas por meio de recursos no valor global estimado de R$ 11.200.000,00 (onze milhões, duzentos e cinquenta mil reais), originados das instituições envolvidas.

 

Parceria

A chamada pública é uma parceria entre a Fapemig, instituição vinculada à Sectes, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoas de Nível Superior (Capes), a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Agência Nacional de Águas (ANA).