Unimontes analisa bactéria multirresistente em casos de infecções
Publicado: 10/05/2016 09:07 | Atualizado: 17/05/2016 18:29
Foto: Christiano Jilvan Ascom | Unimontes Foto: Christiano Jilvan Ascom | Unimontes

Infecções Relacionadas à Assistência a Saúde (IRAS) são objeto de uma pesquisa desenvolvida no âmbito do programa de mestrado em Biotecnologia, da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Com foco no “Acinetobacter baumannii”, micro-organismo de baixa virulência, mas com grande tendência a multirresistência às drogas que acomete pacientes hospitalizados que se encontram imunocomprometidos e/ou multi-invadidos por dispositivos e procedimentos terapêuticos, o estudo é de autoria da professora Adriana Amaral Carvalho.

A partir da pesquisa foi elaborado um artigo científico, selecionado para publicação no periódico internacional “Genetics and Molecular Research” – GMR –  organizado pela Fundação de Pesquisas Científicas de Ribeirão Preto (Funpec-RP). O título do trabalho é “Caracterização e Epidemiologia Molecular de Isolados Nosocomiais de Acinetobacter spp. Extensivamente Resistente a Drogas”.

“A dissertação evidencia uma situação de extrema gravidade em nível global: a questão das IRAS por Acinetobacter baumannii multirresistente; e sinaliza a necessidade de medidas de intervenção urgentes e efetivas nos níveis local, regional, nacional e global para enfrentamento do problema”, avalia a autora. 

Médica graduada pela UFMG, docente do Departamento de Saúde da Mulher e da Criança da Unimontes, a pesquisadora considera a questão abordada como “de grande relevância social”. Além disso, destaca que o estudo e a titulação que acaba de obter no mestrado em Biotecnologia representam uma grande conquista pessoal: “o mestrado me permitiu a ampliação do conhecimento sobre o tema, especialmente nas áreas de Microbiologia, Biologia Molecular e Infectologia, além de experimentar técnicas e práticas laboratoriais não habituais na minha rotina profissional”, enfatiza.

Adriana foi orientada pela professora doutora Alessandra Rejane Ericsson de Oliveira, que enaltece a relevância do trabalho de pesquisa. “Esta dissertação foi de grande importância para conhecimento do perfil de resistência a drogas do A. baumannii e a epidemiologia molecular no Hospital onde o trabalho foi realizado. Os resultados obtidos poderão servir de linha de base para a tomada de decisão a respeito de IRAS no local”.

 

SOBRE O MESTRADO

O Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia/Unimontes foi implantado em 2011, com o objetivo de qualificar profissionais no desenvolvimento de atividades técnicas e científicas para a geração de produtos e processos inovadores. Outros objetivos são a criação de empresas de base tecnológica e a capacitação de docentes de nível superior. 

O caráter multidisciplinar é um dos diferenciais do curso, com a participação de graduados nas áreas de Biologia, Farmácia, Biomedicina, Medicina, Enfermagem, Medicina Veterinária, Engenharia de Alimentos, Ciências da Computação, Agronomia, Engenharia Ambiental, Engenharia Química, Engenharia Elétrica, Direito e Administração.

A orientadora destaca que o mestrado em Biotecnologia apresenta resultados expressivos na formação de recursos humanos para a Universidade. “Não somente professores têm buscado a continuidade dos estudos ao ingressar no Mestrado, mas também técnico-administrativos, que vislumbram na Biotecnologia um promissor mercado de trabalho”, observa Alessandra.

Por sua vez, o pró-reitor de Pós-Graduação da Unimontes, professor Hercílio Martelli Júnior destaca a importância da formação de docentes e técnicos com título superior por programas próprios ou externos à Universidade. “Este é um fator que alavanca o pensar científico alargando as fronteiras do conhecimento e de sua produção”, considera o pró-reitor.

A opinião é compartilhada pela coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia da Unimontes, professora Vanessa Andrade Royo. “O programa cumpre o objetivo de formação de recursos humanos não somente para a Unimontes, mas também para outras instituições de ensino superior e diferentes setores como o industrial”, conclui o professor Hercílio.